sábado, 12 de agosto de 2017

https://www.reddit.com/

“Chega de Pagar o Pato”




Fiesp se diz indignada com aumento de impostos do governo Temer




SÃO PAULO E RIO  - 


 Em nota divulgada nesta quinta-feira, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) afirmou estar indignada com a decisão do governo de elevar as alíquotas do PIS/Cofins sobre combustíveis.





 “O que é isso, ministro? mais imposto?”, é o título da nota, assinada pelo presidente da entidade, Paulo Skaf. Skaf pertence ao 

PMDB, partido do presidente Michel Temer. À frente da Fiesp ele encabeçou a campanha contra o aumento de tributos iniciada no governo Dilma Rousseff cujo símbolo era um gigantesco pato inflável amarelo.


“Há apenas 3 meses, cobramos publicamente o ministro da Fazenda sobre suas declarações de que pretendia 

aumentar impostos. Fomos ouvidos”, diz a nota.

 “Nesta semana, ficamos indignados com o anúncio da alta de impostos sobre os combustíveis. Ministro, aumentar imposto não vai resolver a crise; pelo contrário, irá agravá-la bem no momento em que a a  tividade econômica já dá sinais de retomada, com impactos positivos na arrecadação em junho”, prossegue o texto. 

Segundo a nota da Fiesp, o aumento de imposto

 “recai sobre a sociedade, que já está sufocada, com 14 milhões de desempregados, falta de crédito e sem condições gerais de consumo”.

A entidade defende que  “o caminho correto é cortar gastos, aumentar a eficiência e reduzir o desperdício”. A Fiesp critica o aumento dos gastos do governo com pessoal de R$ 12 bilhões e dos gastos com Previdência, de R$ 15 bilhões, 

que, segundo a entidade, levaram “por água abaixo” o esforço de corte de R$ 11 bilhões em investimentos e de R$ 12 bilhões em despesas. O texto termina com a entidade afirmando que mantém suas bandeiras e convicções. 

“Somos contra o aumento de impostos porque acreditamos que isso é prejudicial para o conjunto da sociedade.” 

“Chega de Pagar o Pato”
, diz Skaf, no encerramento da nota.


 Firjan A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) afirmou, em nota, “que a saída para a crise fiscal não passa por mais aumento de impostos, mas na adequação dos gastos públicos ao novo cenário econômico e na urgência da aprovação da reforma da previdência”.

De acordo com a Firjan, os tributos PIS/Cofins foram criados para financiar o regime de previdência e assistência social no Brasil e arrecadavam R$ 107 bilhões no ano 2000, mais de quatro vezes o déficit da seguridade social à época, que era, segundo a Firjan, de R$ 26 bilhões.


 “Hoje, o déficit da seguridade social (R$ 259 bilhões) 


é muito superior à arrecadação destas contribuições (R$ 165 bilhões), apesar do PIS/Cofins ter sofrido um aumento 54% acima da inflação no período”, diz a nota. 

A Firjan afirma ainda que a maior necessidade do país são as reformas, e não mais impostos. “Além de um teto para os gastos, o Brasil necessita de um teto para os impostos. Essa é a propos

“Além de um teto para os gastos, o Brasil necessita de um teto para os impostos. Essa é a proposta do Sistema Firjan”, continua a nota da Federação. “Não é o momento de onerar o custo do transporte e da produção para as indústrias, que tentam sobreviver à pior recessão da história. No Brasil e no Estado do Rio será

registrado, em 2017, um novo recorde de fechamento de empresas”, acrescenta o comunicado. De acordo com a Federação, no primeiro semestre foram fechadas 8.151 empresas no Estado do Rio, quase 40% acima do registrado em igual período de 2016.


 “Na prática, isso significa que novos aumentos de impostos podem resultar em queda, e não em aumento da arrecadação, simplesmente porque o próprio fisco está expulsando os contribuintes da base de arrecadação tributária”, conclui a Firjan.


Por Eduardo Belo e Rafael Rosas | Valor



fonte         imagens        google

fonte         redação      (tópicos)      http://www.valor.com.br/brasil/5047366/fiesp-se-diz-%3Findignada%3F-com-aumento-de-imposto-pelo-governo-temer



O preço do poder para Temer: perdão de dívida, concessão de rádio e verba a parlamentares


https://brasil.elpais.com/brasil/2017/06/03/politica/1496447041_527306.html




O que é o Sistema S, quanto custa e a quem beneficia



senador propõe acabar com repasse ao Sistema S

























Em 2016, entidades como Sesc, Sesi e Senai e as confederações que as administram receberam R$16 bilhões repassados pela Receita Federal




































Raquel Brandão, O Estado de S.Paulo
05 Maio 2017 | 19h17
Após passar incólume no debate e na votação da reforma trabalhista na Câmara dos Deputados, o repasse de recursos públicos ao sistema S  pode entrar no relatório que será discutido no Senado. Na tarde desta sexta-feira, 5, o senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) protocolou uma emenda ao projeto da reforma recém-chegada ao Senado para acabar com a obrigatoriedade das contribuições para essas entidades.


Criado na década de 40 por Getúlio Vargas para incentivar a industrialização do País, o Sistema S (Sesi, Senai, Sesc, Senar, Senac, Sest, Senat, Sebrae, Sescoop) recebe repasses do governo com a missão de oferecer qualificação profissional, educação, cultura, e serviços de saúde e lazer para os trabalhadores. Somente em 2016, o valor repassado pela Receita Federal exclusivamente ao sistema foi de R$16 bilhões, enquanto sindicatos patronais e dos trabalhadores receberam R$3,6 bilhões.  
No requerimento de emenda, o senador tucano afirma que “tais entes são sorvedouro de recursos públicos, compulsoriamente arrecadados das empresas, e têm absoluto privilégio de gastá-los como bem entendem, sem prestar contas senão – quando muito - aos respectivos controladores dentro da pouco democrática estrutura sindical patronal.” A falta de transparência das contas das entidades do sistema S também foi apontada em acordão de 2016 do Tribunal de Contas União (TCU).
De acordo com a investigação do Tribunal, mais de 80% das organizações não têm auditoria independente e orçamentos publicados nos sites das entidades não trazem o detalhamento adequado. “Há um conjunto sério de irregularidades que começamos a apurar. O sistema como um todo é de aproximadamente R$30 bilhões ao ano, sendo R$16 bilhões de contribuições públicas, por isso, ainda que essas organizações sejam de administração privada,  existem princípios da gestão pública que espera-se que sejam seguidos”, explica o ministro do TCU, Weder Oliveira, relator do acordão.
Além da emenda à reforma trabalhista, o senador também é autor de projeto de lei em debate no Senado que prevê a destinação de 30% dos recursos do Sistema S à Seguridade Social, que inclui aposentadorias públicas, saúde e assistência social.
De acordo com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp),  o fim  da contribuição sindical representa uma queda de 10% do orçamento da Federação. O impacto sobre o fim dos repasses do Sistema S não foi informado. A Firjan, federação fluminense da Indústria, aponta que recebeu em 2016 contribuições tributárias de R$7,270 milhões e que o total das receitas de contribuições foi de R$33,080 milhões.
Na quarta-feira, 3, o plenário do Senado determinou que o projeto que muda as leis trabalhistas (PLC 38/2017) deverá passar pela comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), de Assuntos Econômicos (CAE) e de Assuntos Sociais 
fonte         imagens         google
fonte         redação          http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,reforma-trabalhista-senador-propoe-acabar-com-repasse-ao-sistema-s,70001765381
      







O QUE É O SISTEMA S, QUANTO CUSTA E A QUEM BENEFICIA











Colégio Sesi

SISTEMA SESI/PR:
S
COLÉGIO SESI/SENAI:
O Sindborpr firma o termo de parceria entre o Serviço Social da Indústria  - Departamento Regional do Paraná para o ano de 2016 onde o objetivo é disponibilizar o desconto na mensalidade do Colégio SESI.
Presidente
COELGIO SESI
 Informamos que a partir do dia 26/09/2016 iniciarão as rematrículas e também, o cadastramento de novas matrículas para o Colégio sesi. O Colégio Sesi para 2017, atenderá jovens, filhos dos trabalhadores das indústrias e jovens da comunidade,  que estarão ingressando no Ensino Médio.
 Os preços das mensalidades são diferenciados e mais baratos, para aqueles jovens que, são filhos dos funcionários, das indústrias associadas, aos Sindicatos Patronais - R$ 242,00 a mensalidade.
 Segue abaixo, a política de preços para 2.017.
 Em anexo, a relação das Unidades no Estado do Paraná.

A quem se destina o Colégio SESI:
Aos filhos de trabalhadores das indústrias e comunidade, para todas as séries do Ensino Médio Regular, com a opção de curso profissionalizante, a partir do segundo ano, no contraturno escolar.
 Descrição:
 O Colégio Sesi prepara profissionais aprimorados para as indústrias. A metodologia é inovadora, voltada ao desenvolvimento de competências técnicas, à formação plena do jovem como cidadão e à iniciação ao empreendedorismo. Por meio de uma parceria com o SENAI Paraná, o jovem pode escolher o curso profissionalizante que corresponde às suas aptidões e cursá-lo de forma concomitante.
 Incentivo a Rematrícula:
 PREÇOS

Caso não consiga ver a imagem  clique: Colégio Sesi - Politica de preços. docx

SESI CIC 
CIC


SESI Londrina
Informações: consulte o Sindborpr e-mail: sindborpr@fiepr.org.br e/ou telefone: (41) 3271-9234
EMPRESAS interessadas em receber visitas sobre o Colégio SESI, favor enviar e-mail para: aparecida.costa@sesipr.org.br
  



SESI Portão
Período Integral - Educ. Infantil
Temos vagas para Educação Infantil – 2016, no Sesi Portão, para crianças nascidas em 2011,2012 e 2013. 
Alimentação: Quatro refeições diárias - café da manhã, almoço e dois lanches da tarde e Material didático.
 Horários de atendimento: Período Integral – 07h30min às 18h30min
 plonitica
doc
Informações: consulte o Sindborpr  e-mail: sindborpr@fiepr.org.br  e/ou  telefone: (41) 3271-9234    
EMPRESAS  interessadas em receber visitas sobre o Colégio SESI, favor enviar e-mail para: 


COLÉGIO SESI INTERNASCIONAL
SESI
 Informamos que o SESI está lançando da Campanha do Colégio Sesi Internacional.
 Agora, além da Unidade do Colégio em Curitiba, também teremos o mesmo Colégio nas cidades de Londrina, Maringá, Cascavel e Ponta Grossa.
 Segue em anexo, a apresentação do Colégio Sesi Internacional e abaixo a tabela de preços para 2016, com preços diferenciados para empresas associadas aos Sindicatos Patronais.
sesi internacional
 É com prazer que o  SESI, informa que estão abertas as matrículas  para oColégio Sesi Internacional, com  mensalidades com descontos diferenciados para as empresas associadas ao Sindicato.  Com a Carta de Indicação dos Sindicatos, os trabalhadores das empresas, terão descontos especiais ao matricularem os filhos.
Descrição:
  • O aluno estuda em período integral; 
  • As aulas no Colégio Sesi Internacional são baseadas nas oficinas de aprendizagem. Essa metodologia oferece uma educação participativa, desenvolvedora de competências e que valoriza a postura ativa e investigativa do jovem;
  • As aulas com conteúdo regular em português e em inglês todos os dias;
  • Aulas especiais de nivelamento para alunos que não tenham conhecimento da língua;
  • Ao final do ensino médio o aluno terá fluência na língua inglesa.
Maiores informações:
Patrícia Preissler
(Colégio Sesi Internacional)


fonte             imagens         google
fonte             redação          http://www.fiepr.org.br/sindicatos/sindbor/colegio-sesi-1-11326-255886.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário